quinta-feira, 23 de julho de 2009

Entrevista com Bernardo Bertolucci.


"As televisões narcotizaram os cérebros das pessoas"


Nuno Galopim*


Bernardo Bertolucci. O realizador italiano é um dos homenageados do Estoril Film Festival. Em entrevista exclusiva ao DN recorda como o cinema o "roubou" à poesia

Em jovem escreveu. Chegou mesmo a publicar. Alguma vez se arrependeu de ter deixado a escrita para fazer cinema?

O meu pai foi um grande poeta. E, como um filho de um carpinteiro quer ser carpinteiro, eu quis ser um poeta. Mas a dada altura reparei que já havia um poeta na família. E aos 15 ou 16 anos apaixonei-me pelo cinema. Senti que era o meu caminho.

Ganhou até um prémio literário...

Sim, aos 21 anos publiquei um livrinho de poemas. Foi na mesma altura em que fiz o meu primeiro filme. Saíram os dois ao mesmo tempo.

O que lhe chamava a atenção no cinema?

Por essa altura estava encantado pela Nouvelle Vague. Comecei a fazer filmes em 1962. Tinha visto O Acossado [de Godard]... Nessa altura só gostava de realizadores franceses. Não gostava do cinema italiano dos anos 60, apenas o que se tinha feito antes. E lembro-me que na minha primeira entrevista fui arrogante. Como se é quando se tem 21 anos... Na minha primeira conferência de imprensa disse que a ia fazer em francês. Perguntaram-me porquê? Éramos todos italianos! E estávamos em Roma! Mas respondi: Parce que le cinéma parle français... Era tudo o que havia de mais errado para dizer!

É impossível falar do seu cinema sem pensar em política. A Itália de Berlusconi será um dia retratada no cinema? E como?

Isso será feito, mas de um modo diferente do que nós fizemos nos anos 70. Em primeiro lugar, devo dizer que, para mim, Berlusconi não é um primeiro-ministro! Não se pode ser candidato quando se é dono dos meios de comunicação de um país! Por isso não tenho o mesmo respeito que teria por outro... Há alguns anos tive a ideia de fazer um terceiro acto do 1900. O 1900 foi um enorme sucesso. Ou seja, foi um filme meu partilhado pelos italianos. Mas hoje, quando se vê que 65 por cento dos italianos ainda estão apaixonados por Berlusconi, seria difícil conseguir o mesmo efeito.

O que o preocupa no presente?

Na campanha eleitoral, queixei-me que nunca se ouviu a palavra cultura! E não foi apenas nas pessoas de quem não gosto. É como se a cultura já não fosse considerada. E é assim que Berlusconi ganha as eleições. As televisões, e também a do estado, narcotizaram os cérebros das pessoas. O país está a ficar sub-culto.

O cinema pode ajudar a desintoxicar?

Não tenho poderes mágicos. Mas um filme e, depois, outro, e mais outro, pode ajudar. Eu estava triste com o cinema italiano, mas no último ano apareceram filmes encorajadores como o Gomorra e o Il Divo.

Há um renascimento do filme político?

Sim, talvez como uma reacção. Sobretudo à direita.

As artes ainda podem ser um veículo político no presente?

O cinema, como qualquer outra expressão, atravessa fases. Será interessante ver o que é que vai sobreviver do cinema depois deste novo mundo incrivelmente tecnológico. O cinema tem de se relacionar com o novo. Reflectir o que se passa. Há colegas meus que dizem que o digital é horrível. Mas o digital é uma expressão deste momento. O cinema tem sido capaz de se transformar, de viver mutações. Por isso acho que o cinema vai sobreviver, se souber reflectir essa realidade.

O que pensa do facto de Oliver Stone fazer um filme sobre George W. Bush com o presidente ainda em exercício?

O Oliver é um realizador muito bom. Acho que ele se quer candidatar à presidência... Já é o terceiro filme que faz sobre presidentes. Ou seja, está a estudar para ser presidente! (risos)

Obama inspirará realizadores?

Se calhar o Oliver está a pensar já num quarto filme (risos)... Como tantas outras pessoas, investi muita da minha fantasia ao pensar o que Obama poderá fazer como agente de mudança global. Não será fácil. Não será ajudado pela realidade da economia. Mas tem uma força incrível. E nunca disse nada ofensivo como tantos outros fazem. Outra coisa extraordinária de ver é ter um afro-americano na Casa Branca. É quase comovente.

* Entrevista para o Diário de Notícias em novembro de 2008 - Lisboa.

4 Comentários

Portal Ousar.Net disse...

Interessante

Polly disse...

Estou adorando a serie de entrevistas.
E Bertolucci eu arrisco flar que é o meu preferido.

Dimas Turbando disse...

Enquanto isso, no lado de baixo da tabela, o Vila Nova olha para cima e só vê nuvens pretas: é o fogo do Dragão. Coitado dos vila-não-vence.
Atlético/GO, o Barcelona do Cerrado, assume a liderança do Campeonato Brasileiro, série B. Agora é só cumprir tabela até o título.
Os times da série A já estão tremendo só de pensar que no ano que vem terão de enfrentar o Dragão.

Lisandro Nogueira disse...

Polly,

Bertolucci é um cineasta que merece sempre uma consideração. Aliás, esses cineastas dos anos 60 tinham essa qualidade: pensavam o mundo com os filmes e com o pensamento. Fazem falta com seus filmes e entrevistas instigantes.

ps- sobre o time de Campinas, o Dragão, tenho a maior consideração.

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo! Participe!

 

Blog do Lisandro © Agosto - 2009 | Por Lorena Gonçalves
Melhor visualizado em 1024 x 768 - Mozilla Firefox ou Google Chrome


^