quinta-feira, 17 de setembro de 2009

O clube da luta e a era do vazio




O Clube da Luta e a Era do vazio 


Por Agnes Arato*


Passados 10 anos de seu lançamento, Clube da Luta (Fight Club, 1999) continua sendo um retrato da nossa época. David Fincher escancarou nessa que é sua obra mais controvertida todo o vazio e a frustração que sentimos. Clube da Luta não choca (só) por conta das altas doses de violência do filme, e sim porque enxergamos o quanto estamos sozinhos. E pior: não estamos indo pra lugar nenhum.


Em outras épocas, a vida era regida por forças ocultas. Deuses definiam estações e destinos, e o sentido da vida era impossível de ser encontrado, já que era divino, e não estava ao alcance do ser humano. Nos últimos séculos, parte da humanidade já havia se livrado da imposição do oculto. Ainda assim, o sentido permaneceu: haviam guerras para serem travadas, ideologias e modos de vida a serem defendidos, mundos a serem descobertos – inclusive a própria Terra.


Na última década do século XX não havia mais nada. Não há guerra que pareça justa, o sistema é o mesmo para todos, e as ideologias ficaram todas muito parecidas. Ao homem restou consumir. O objetivo é acumular cada vez mais dinheiro, para que ele possa ter: o carro da moda, a casa dos sonhos, a roupa adequada. O homem passa a ser o que ele possui. 


É esse homem desnorteado que encontramos no personagem de Edward Norton. Um personagem sem nome, anônimo como todos nós. Assim como todos, terminou a faculdade, arrumou um emprego, montou o apartamento perfeito, e agora se pergunta: Qual o sentido? Angustiado, não consegue mais dormir. E quando os tranqüilizantes e antidepressivos não fazem mais efeito, passa a procurar outras válvulas de escape.



Ao conhecer Tyler (Brad Pitt) e seu discurso contra a sociedade de consumo, ele finalmente se encontra: enfim, um parceiro, alguém que entende o que está sentindo. A criação do Clube da Luta, em parceria com Tyler, é o reencontro com o sentido (mesmo não havendo nenhum em um grupo de homens se batendo sem parar): ele é de novo criador, é homem, original e criativo. E ainda subversivo e questionador, quando nega uma vida vendida como modelo de realização máxima do ser humano e vai morar com Tyler na periferia da cidade, numa casa precária, sem nenhum dos confortos tão desejados por aqueles que “ainda não se libertaram”.


A nossa época está lá, impressa no filme: na abertura alucinada, no ritmo da edição, na música eletrônica, na overdose de informações visuais e sonoras. Está também no fato de Tyler fazer sabonete com gordura roubada de clínicas de lipoaspiração (devolvendo às senhoras a sua própria gordura, expondo a sociedade que se empanturra pra esquecer o vazio de sua existência); ou na descrição do personagem de Norton do nosso cotidiano cercado de embalagens descartáveis, onde tudo é individual: saquinho individual de açúcar, porção individual de margarina, mini sabonete, porção individual de frango para microondas. 


Clube da Luta faz uma crítica incisiva à nossa época. Confundimos os meios com os fins, e estamos desiludidos. Alguém nega? Não adianta, a explosão de igrejas de todos os tipos entrega: estamos procurando sentido pra nossa vida. O filme não pretende oferecer essa reposta. Sua função? Cutucar a ferida e expor o quanto somos superficiais. E é essa revelação que choca o espectador ao final do filme.

* Agnes Arato é jornalista e aluna do curso de análise de filmes.

6 Comentários

Lisandro Nogueira disse...

Caros amigos:

O blog completa hoje um ano de vida. Fico feliz em compartilhar e estimular a vivência com o cinema. Fico completamente realizado lendo os artigos dos meus alunos, amigos e colegas no blog.

Agradecimentos: Daniel Cristino e Eduardo Horário (pela idéia); Marcelo Nogueira, Pedro Vinitz (sem ele não teríamos o blog); Maria José Soares, Luisa Nogueira e Lorena Gonçalves (renovou e inovou nosso blog).

Lá em casa: para Cristina, Luisa, Pepeu e Dunga - vendo o jogo do Vila Nova, filmes e ouvindo Moraes Moreira.

Tatiana Cristina disse...

Feliz aniversário de blog!
Parabéns a todos que participam dessa Àgora virtual.

Agnes, gostei muito do seu ponto de vista e da maneira como você colocou as coisas. Gosto demais desse filme, tanto que assim como você tenho um dvd dele em casa.

Você disse na sala de aula que não gostava de filmes violentos, mas este em especial chamou a sua atenção, sendo assim compartilho da mesma opinião. Não curto filmes violentos, admito que é uma das inúmeras barreiras que tenho e que procuro ultrapassar, contudo Clube da Luta foge do rótulo de ser um filme violento, e entra na lista dos filmes que nos fazem pensar e refletir, dolorosamnte e desesperador para os mais sensíveis.

Assim como diz na capa dele, ele é um SOCO NA MENTE. Tudo nele é motivo para discussão, é intrigante e estimulador. È preciso vê-lo no mínimo 2 vezes, somente uma é impossível tentar absorve-lo.

Parabéns pela crítica.

Valéria Borges disse...

Boa noite!! Agnes,

Belo texto! Esse filme tem violência mas tem aquela coisa do teatro Kabuki japonês, isto é, a violência é contextualizada.
Todas as sociedades sãos violentas. O filme, em parte, responde os motivos. Por incrivel que pareça eu vi sentimento nesse filme.

Polly disse...

Otimo texto e análise. E o filme entao, puxa!
Concordo plenamente qdo disse que a função do filme é expor a superficialidade e ponto. É um daqueles filmes que não termina qdo acaba.

Lisandrão (rs...não resisti), parabens pelo aniversario do blog.

Lisandro Nogueira disse...

Olá Polly,

Realmente o "Lisandão" existiu: tentei ser jogador de futebol aos 14/15 anos: fiz testes no Vila Nova, Goiânia, Campinas e Goiás. Fui reprovado em todos eles.Eu era zagueiro e meu nome era mesmo "Lisandrão".

Seus comentários são sempre instigantes e bem humorados. Gosto muito da sua presença.

Agnes disse...

Valeu, meninas!
Uma das coisas que me levou a escrever esse texto foi justamente porque ainda fico chateada quando escuto alguém dizer que não assistiu ao filme por conta da violência... Pena, pois perde uma excelente oportunidade de reflexão.
Obrigada a todas!

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo! Participe!

 

Blog do Lisandro © Agosto - 2009 | Por Lorena Gonçalves
Melhor visualizado em 1024 x 768 - Mozilla Firefox ou Google Chrome


^