quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Um filme no celular

Um filme no celular, ou, por favor, eu quero um vídeo de bolso

Lisandro Nogueira

O cinema volta aos primórdios, com as novas tecnologias da imagem. Estas possibilitam a disseminação de narrativas que jamais alcançariam as grandes mídias.

A possibilidade de realizar vídeos pessoais e divulgá-los pela internet, por meio de celulares e de tocadores de vídeos portáteis vai ao encontro da necessidade de novas formas para expressar o mal-estar ou o bem-estar contemporâneos.

Mas dois extremos coexistem nesse novo processo de produção: a apologia da parafernália técnica desenfreada e o ceticismo reinante quanto ao conteúdo dessas novas mídias.

A Fractal Filmes, de Goiânia, realiza nesta semana (foto de Nacho Duran) um interessante movimento no sentido de discutir os novos desafios da produção audiovisual e formar profissionais para lidar com eles. O seminário "Câmera cotidiana" (http://www.cameracotidiana.com.br/) discute o fenômeno dos vídeos de bolso: " Durante o encontro, Nacho Duran vai instruir os alunos a produzir vídeos de bolso, a partir da apropriação consciente e reflexiva da tecnologia digital. Os videoblogs e servidores de vídeo, os formatos de compressão e codecs de áudio e vídeo e a cultura do software livre e copyleft estarão na pauta de discussão", informa Geórgia Cynara (aluna da Facomb-UFG – realizou uma das melhores monografias já apresentadas na faculdade de comunicação), da Fractal.

Uma indagação dos céticos é se essas novas tecnologias contribuirão para edificar novas formas de se contar histórias com imagens em movimento. O que se viu no fenômeno dos videogames foi a permanência, em grande parte, da força do melodrama (a luta do bem contra o mal, ansiedade pela comunicação rápida).

O velho gênero tomou conta das histórias. Resultado: o que mudou foi apenas o suporte. As histórias e a forma continuaram as mesmas. Mesmo que assim seja, que resulte em mais repetição, devemos celebrar a idéia da "apropriação" das tecnologias. Há ao menos um dado interessante: elas criam uma nova sociabilidade e novas formas de expressão. As meninas e os meninos da Fractal acertaram o alvo: é fundamental apropriar-se dos novos recursos.

Sabemos pouco ainda do que efetivamente virão a fazer os "apropriadores". Mas iniciativas como esta mostram, com acerto, que, antes de rechaçar as novas tecnologias, convém fazermos um esforço criativo para compreendê-las e dominá-las.

2 Comentários

João Angelo Fantini disse...

Excelente iniciativa, se estivesse por ai iria com certeza. Há também, é preciso não esquecer, uma resistência intestina do staff do saber sobre o cinema. Acredito que esta resitência reluta em sair do lugar de sujeito suposto saber sobre a matéria.

Há, e por favor Lisandro, retire esta exigência de ter que digitar estas letras tortas que dificultam as pessoas com mais de 40..facilite a vida da terceira idade.

Anônimo disse...

Hi are using Wordpress for your blog platform? I'm new to the blog world but I'm trying to
get started and set up my own. Do you need any coding knowledge to make your own blog?

Any help would be greatly appreciated!

Here is my website: helpful resource

Postar um comentário

Deixe seu comentário abaixo! Participe!

 

Blog do Lisandro © Agosto - 2009 | Por Lorena Gonçalves
Melhor visualizado em 1024 x 768 - Mozilla Firefox ou Google Chrome


^